União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

CARIDADE PARA COM O TRABALHADOR ESPÍRITA ( VOCÊ JÁ PENSOU NISTO ?)

 

 

 

 

CARIDADE PARA COM O TRABALHADOR ESPÍRITA   ( VOCÊ JÁ PENSOU NISTO ?)

 

 

Wellington Balbo - Bauru - SP 

Abraham Maslow (1908 – 1979), psicólogo norte americano do século passado elaborou a pirâmide das necessidades humanas, dividindo-a em 5 categorias: - fisiológicas, de segurança, sociais, de estima e realização pessoal. 

Didaticamente, Maslow abordou ponto interessante e credor de reflexão. Sua teoria, embora tenha alguns detratores, reflete de maneira prática as necessidades humanas e suas implicações na motivação do indivíduo.

Aliás, vale lembrar que nem o próprio Maslow estava plenamente satisfeito com sua teoria.

Julgava faltar algo, o elemento básico: - a espiritualidade. Natural o pensamento de Maslow, porquanto o Homem não é apenas carne e osso, mas também, e sobretudo, um ser espiritual. 

No entanto, nosso objetivo não é se aprofundar nas elucubrações do pensador norte americano. 

Gostaríamos de, no presente artigo, tratar de tema pertinente

ÀS LIDERANÇAS ESPÍRITAS E O RELACIONAMENTO COM OS DEMAIS TRABALHADORES DA CASA ESPÍRITA. 

Perceba, caro leitor, independente de nossa condição social e cultural todos temos necessidades.

A própria existência humana impõe que seja assim. As necessidades fisiológicas, por exemplo, são impositivos naturais de nossa volta ao corpo físico. Subordinados à máquina orgânica, temos que aquiescer as suas necessidades, quer queiramos ou não. 



Reforçando: -  todos nós, independente da condição que temporariamente ocupamos, temos necessidades, incluindo, portanto, o trabalhador espírita. 



Sim,

OS ABNEGADOS SERVIDORES DA SEARA ESPÍRITA TÊM SUAS NECESSIDADES

e enfrentam, como seres humanos que são, os desafios da existência. 

São merecedores de caridade, precisam sentir que são queridos e que a Casa Espírita também está disposta a suprir suas necessidades.

Logo, forçoso admitir que a mesma caridade destinada aos assistidos das instituições espíritas deve ser estendida aos trabalhadores.

Aliás, é um básico princípio de justiça. 

Entretanto, não raro enxergamos apenas o que nossos limitados olhos físicos mostram. As dificuldades materiais encarnadas na miséria e abandono são vistas claramente. 

Há, porém, situações que vão muito além das aparências. Há pessoas que choram sorrindo e, quando isso ocorre muitas vezes não percebemos.

 

É preciso, pois, estar atento e ser um líder espírita participativo para mostrar ao grupo a importância de cada membro. 



É necessário estar atento para observar as necessidades dos indivíduos.

Em alguns momentos da existência precisamos do abraço, do apoio ou mesmo dos ouvidos dos amigos. 

Relevante que o encontremos na Casa Espírita, em meio aos amigos que sabem as felicidades e agruras da existência humana sob as diretrizes marcantes da Imortalidade da Alma. 

Eis, então, um oportuno lembrete às lideranças da doutrina codificada por Kardec: 

atentem-se também para as necessidades dos voluntários das instituições que estão sob vossa coordenação.

 

Preocupem-se com seus trabalhadores, se estão motivados, enfrentando desafios ou dificuldades. 

 

Perguntem, exponham, criem laços de amizades e o saudável hábito de preocupar-se com o próximo mais próximo. 

Enfim, lembrem-se de que o problema também bate a porta de quem se empenha em abri-la aos menos favorecidos.

 

Caridade também para com o trabalhador espírita, para que nossas Casas sejam lares revestidos do fraterno amor de Cristo. 

Pensemos nisso.

Veja Também

A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)