União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Namoro com homem casado (triangulo amoroso)


Por Richard Simonetti

Estou enamorada de um homem casado, que corresponde aos meus sentimentos. Devemos nos harmonizar nesta existência, como marido e mulher?

Parece-me que o problema de harmonização envolve o casal constituído. A ligação afetiva que pretendem iniciar situa-se para ele como desvio de compromisso.

- E o princípio de que nada acontece por acaso?

No mundo de causa e efeito em que vivemos, realmente tudo o que acontece tem uma origem, não é ocasional. As experiências extraconjugais, por exemplo, são frutos de impulsos passionais próprios da animalidade humana.

- Mas sinto que há uma ligação muito forte entre nós, um relacionamento de vidas passadas.

Pode ser, mas esteja certa de que não se reencontraram para incorrer em adultério ou acabar com um casamento.

- E se ele casou por imaturidade, antes que nos encontrássemos?

Nem por isso deixou de assumir um compromisso, que se sobrepõe, no presente, a hipotético compromisso com você. A situação agora é diferente. Há a responsabilidade com os filhos.

- Mas não temos o direito de ser felizes?

Temos todo direito de buscar a felicidade, desde que ela não seja construída sobre a infelicidade alheia. Imagine-se no lugar da esposa traída. Gostaria de ver seu marido deixando-a para viver com outra?

- Então ninguém deveria se casar em segundas núpcias?

Os ex-cônjuges têm o direito de refazer sua vida no terreno afetivo, buscando nova experiência. É diferente da separação por influência de alguém que se envolveu com um deles.

- E como fico, se ele é tudo o que quero nesta vida?

Em favor de nossa felicidade, não devemos reduzir nossos desejos e aspirações à consumação de uma ligação afetiva. Há assuntos muito mais importantes. Nossa realização como filhos de Deus, por exemplo, pelo esforço incessante de aprendizado e o aprimoramento moral.

- Devo renunciar?

Renúncia envolve desistência de um direito. Seu caso é diferente. Configura mero dever. O dever de respeitar uma família, evitando tornar-se responsável por sua dissolução.