União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

O QUE ACONTECE APÓS A MORTE DO CORPO?

 

 

                                                   

 

 

 

 

  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 

A vida na terra tem o tempo necessário para cada criatura.

É abreviada por abusos, vícios, suicídios.

É prolongada , ( exceção) por necessidades avaliadas.

 

Ao desencarnar o Espírito pode ter ou não ajuda, dentro do merecimento e aprendizado.

Uns ficam perambulando pela casa, ruas,  estradas, local de trabalho, etc.

Outros vão para o umbral; outros direto para as colônias.

 

 

 

Uns ficam  ligados ao corpo ( suicidas, ateus, materialistas);

Uns levam mais tempo e outros menos,  para desencarnarem ( depende do apego ao mundo material).

 

 

Uns, por ideias fixas  (  grandes paixões,ódio, vinganças) perdem a forma do períspirito  ( os ovoides ).

 

 

 

Uns são atacados por obsessores;  outros esperados por amigo.

 

 

 

 

Uns continuam sofrendo os reflexos das doenças do corpo; outros vão procurar os vícios;

Outros ficam protegendo os bens materiais que tinham.

 

 

Uns ficam pouco tempo e reencarnam, outros permanecem mais tempo na espiritualidade.

 

Uns poucos ( mais preparados ) vão reencarnar em outros mundos.

Os bons aumentam sua felicidade; os maus aumentam suas tristezas.

Uns querem continuar fazendo tudo o que faziam na Terra ( comer, beber, dormir, etc)

 

 

Uns sabem que desencarnaram;

 

outros ficam pensando  que ainda estão vivos no corpo.

Uns ficam praticando o mal e ociosos.

Outros procuram trabalhar, estudar e fazer o bem.

Tudo depende de como viveram na terra e de como pensam e sentem as coisas, em relação a Deus,  ao próximo e a si mesmo.

 

 

“ A cada um  segundo suas obras “ ( Jesus)

Querem saber mais, consultem as obras Espiritas.

 

 

“Cada homem, por si,

elevar-se-á  ao céu  ou descerá aos infernos transitórios,

em obediência às disposições mentais em que se prendem “.

( André Luiz)