União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Crianças prodígios, tendências e aptidões

 

 

A história nos mostra exemplos de Espíritos que tiveram a manifestação de sua genialidade desde tenra idade. Tal é o exemplo de Mozart no campo da música que, com apenas 4 anos de idade, já executava com maestria ao piano e, aos 8, compôs sua primeira ópera. 

Paganini, ainda criança, tocava violino de maneira maravilhosa. Pascal descobriu 
a geometria plana aos 12 anos. 

Léon Denis nos conta que "William Hamilton estudava o hebraico aos 3 anos, e aos 7 possuía conhecimentos mais extensos do que a maior parte dos candidatos ao magistério. "Estou vendo- o ainda, dizia um de seus parentes, responder a uma pergunta difícil de Matemática, afastar- se depois, correndo aos pulinhos e puxando o carrinho com 
que andava a brincar." 

Aos 13 anos conhecia doze línguas, aos 18 pasmava toda a gente da vizinhança.. ." (O Problema do Ser, do Destino e da Dor - 2a.parte - item XV). 

Willy Ferreros, com 4 anos e meio dirigia com maestria a orquestra do "Folies- Bergêre", de Paris e depois a do Cassino de Lyon. 

O Le Soir, de Bruxelas (n. 25 de julho de 1900) na enumeração que faz de algumas crianças notáveis, c ita: 

"Entre os rapazes- prodígio do Novo Mundo, devemos citar um, o engenheiro George Steuber, que conta 13 
primaveras, e Harry Dugan, que ainda não completou nove anos. Harry Dugan acaba de fazer uma excursão de 1.000 milhas (cerca de 1.600 quilômetros) através da República estrelada, onde realizou negócios colossais para a casa que representa. Por mais incrível que pareça, a Universidade de Nova Orleans acaba de passar diploma de médico a um estudante com 5 anos de idade, chamado Willie Gwin. 

Os examinadores declararam depois, em sessão pública, que o novel Esculápio era o mais sábio esteólogo a que haviam passado diploma. Willie Gwin é filho de um médico conhecido. 

A este propósito, os jornais transatlânticos publicam uma lista de meninos- prodígio. Um deles, mal contando onze anos de idade, fundou recentemente um jornal intitulado The Sunny Home, cuja tiragem, no terceiro número, era já de 20.000 exemplares. Pierre Loti e Sully Prudhomme são colaboradores do Chatterton americano. 

Entre os pregadores célebres dos Estados Unidos, 
cita- se o jovem Dennis Mahan, de Montana, que, desde 6 anos, causava pasmo aos fiéis pelo seu profundo 
conhecimento das Escrituras e pela eloqüência da sua palavra." (Citado 
no livro O Problema do Ser, do Destino e da Dor, de Léon Denis) De um lado, somente os renascimentos sucessivos nos fazem compreender a facilidade apresentada por certas 
crianças chamadas "prodígios" de assimilarem certos conhecimentos ou de demonstrarem tremenda habilidade física 
ou mental para certas áreas do conhecimento e das artes. 

De outro lado, compreendemos que cada Espírito 
renasce com sua bagagem própria, elaborada por ele mesmo em vidas anteriores e, portanto, cada criança reagirá de forma diferente aos estímulos do meio físico ou espiritual que a cerca. 

Isso implica em que, ao analisarmos as etapas de desenvolvimento do Espírito em sua nova encarnação, devemos levar em conta que cada Espírito é um ser em particular, que traz consigo uma bagagem do passado que poderá se manifestar muito cedo revelando sua genialidade, como nas "crianças- prodígio" ou poderá apresentar sérios 
bloqueios na manifestação de sua inteligência, como na criança excepcional. 

Além dos casos mais notáveis das crianças- prodígio, toda criança manifesta preferências, tendências, habilidades e 
pendores para certas áreas do conhecimento que representam os esforços do passado. 

Léon Denis em O Problema do Ser, do Destino e da Dor nos relata: 

"O trabalho anterior que cada Espírito efetua pode ser facilmente calculado, medido pela rapidez com que ele 
executa de novo um trabalho semelhante, sobre um mesmo assunto, ou também pela prontidão com que assimila os elementos de uma ciência qualquer.

Deste ponto de vista, é de tal modo considerável a diferença entre os indivíduos, que seria incompreensível sem a noção das existências anteriores." 

"Duas pessoas igualmente inteligentes, estudando determinada matéria, não a assimilarão da mesma forma; uma alcançar- lhe- á à primeira vista os menores elementos, a outra só à custa de um trabalho lento e de uma aplicação porfiada conseguirá penetrá-la.

É que uma já tem conhecimento dessa matéria e só precisa de recordá-la, ao passo 
que a outra se encontra pela primeira vez dentro de tais questões." 

O professor ou evangelizador poderá, pois, deparar- se com um Espírito muitíssimo mais elevado do que ele e sua tarefa será auxiliá-lo a desenvolver sua potencialidade interior e não fazê-lo 
chegar até onde ele, evangelizador, 
chegou.

O Espírito poderá ir muito além e o professor tem o dever de auxiliar o seu desenvolvimento na área em que ele naturalmente se destacar. Mesmo o Espírito superior necessita do apoio dos pais, amigos e evangelizadores para ampliar suas habilidades inatas e desenvolver novas aptidões, cumprindo a tarefa ou missão que deve realizar em nosso mundo. 

(Fonte: Educação do Espírito – Introdução à Pedagogia Espírita – Walter Oliveira Alves, Araras, SP.




 Crianças-prodígio Wolfgang Amadeus Mozart


Wolfgang Amadeus Mozart.


A mais genial das crianças-prodígio de todos os tempos, iniciou sua carreira aos 4 anos em 1759 e aos 5 já compunha e tocava vários instrumentos fluentemente.

Jacob Barnett (Foto: Reprodução)


Jacob Barnett (Foto: Reprodução)

3 – Esse é um gênio um pouco curioso. Jacob Barnett, nascido em 1999, aprendeu sozinho - em uma semana - cálculo, álgebra, geometria e trigonometria.

Além disso, vem trabalhando em uma versão estendida da teoria da relatividade desenvolvida por Albert Einsten. Isso mesmo. Seu histórico é impressionante.

Com oito anos, abandonou as aulas normais e passou a frequentar aulas de astrofísica avançada na Universidade de Indiana onde pôde aprofundar mais suas ideias. De acordo com Scott Tremaine, professor de astrofísica na Universidade de Indiana, os cálculos que Jacob vem desenvolvendo são realmente interessantes e “qualquer pessoa que consiga resolver esses problemas estará cotado para ganhar um Nobel”.

 

AKRIT JASWAL

 

Nasceu em 23/04/1993, numa família pobre Rajput da cidade de Himachal Pradesh, na Índia. Desde a sua infância Akrit demonstrou habilidades incomuns: começou a falar no 10° mês de idade; aos 2 anos de idade começou a escrever e a ler apenas olhando as páginas dos livros; aos 5 anos começou a ler livros de poesia e peças de Shakespeare; depois desenvolveu uma paixão precoce por livros de medicina, anatomia e cirurgia.

 

Os professores da sua aldeia descobriram que Akrit possuía a formidável capacidade de memória fotográfica, jamais esquecia nada e possuía uma voracidade fantástica em aprender cada vez mais. Aos 6 anos, fazia discursos altamente complexos sobre temas de Medicina, Biologia e Cirurgia, e debatia com médicos adultos qualquer tipo de tema ligado à Ciência Médica. Ele memorizou de cabeça dezenas de tratados médicos de medicina, anatomia, fisiologia e cirurgia, que são difíceis de ler até mesmo para os Especialistas veteranos destas áreas. Akrit solicitou e obteve uma autorização especial para acompanhar e assistir às cirurgias feitas no Hospital de Himachal.

 

Aos 7 anos de idade tornou-se o cirurgião mais jovem do mundo, quando a família de uma menina da sua aldeia solicitou a sua ajuda para realizar uma cirurgia. A Menina havia sofrido um acidente e queimado os dedos, que acabaram colando uns nos outros; Akrit apiedou-se da menina e realizou uma cirurgia extremamente bem-sucedida, que foi filmada e surpreendeu os médicos de todo o Mundo.

 

Tornou-se uma celebridade em toda a Índia, e foi convidado pelo Governo hindu para estudar na Universidade Punjab aos 11 anos de idade, em 2004.