União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

QUE É DEUS? E AS SETE RAZÕES PELAS QUAIS UM CIENTISTA CRÊ EM DEUS.

 

 

 


QUE É DEUS?  

E AS SETE RAZÕES PELAS QUAIS UM CIENTISTA CRÊ EM DEUS.

 

O Universo existe, logo tem uma causa.

 

C:\Documents and Settings\xy\Meus documentos\01.MINHAS IMAGENS\Universo\Espacial.jpg


Duvidar da existência de Deus é negar que todo efeito tem uma causa e avançar que o nada pôde fazer alguma coisa.


*
Na visão espírita, afirma-se que a prova da existência de Deus resulta de três fatores que consideramos   incontestáveis, quais sejam:

 


1º) O sentimento instintivo da ideia de Deus no homem, manifestando-se em todas as épocas da Humanidade através da lei de adoração;


2º) A lei de Causa e Efeito, que mostra a impossibilidade da ocorrência de efeitos inteligentes sem uma causa inteligente; e


D:\1.O.B.MONTEIRO (D)\4. IMAGENS.Geral (D)\Insetos\Insetos (15).jpg

3º) A maravilha inigualável da estrutura total da Natureza, nos seus mínimos detalhes, …
…que não pode ser obra do acaso, pois revela a imanência Cósmica de uma Inteligência superior a qualquer mente humana.


*
“É evidente e racional que uma inteligência matemática e superior estabeleceu e providenciou as condições de vida para o planeta Terra.”

 

 

 

A esta conclusão chegou o professor Cressy Morrison, ex-Presidente da Academia de Ciências de Nova York.

 

 

Quando publicou há algum tempo um trabalho intitulado

SETE RAZÕES PELAS QUAIS UM CIENTISTA CRÊ EM DEUS.

Dr. Cressy Morrison Presidente da Academia de Ciências de Nova Iorque Diretor do Museu de História Natural de Nova Iorque

Dizo Dr. Morrison que nós ainda estamos no princípio da era científica e cada aumento de Luz revela mais claramente o trabalho manual de um cientista brilhante.

Temos feito descobertas estupendas, e com um espírito de humildade científica e de fé fundamentada no conhecimento, estamos cada vez mais próximos de Deus.

Aqui o Dr. Morrison convida os homens a que meditem apenas em algumas das leis que mantém o equilíbrio da vida na Terra, como, por exemplo, a velocidade com que a Terra realiza os seus movimentos de rotação e de translação em volta de si mesma e do Sol.

C:\Documents and Settings\xy\Meus documentos\01.MINHAS IMAGENS\Terra.S.Solar\Sistema.Solar.jpg

É sabido que a Terra gira em torno do Sol, translação, com uma velocidade de 107.000 km/hora, e gira em torno de seu eixo, rotação, com a velocidade de cerca de 1.600 quilômetros por hora, o que não é um acaso, é uma lei matemática de equilíbrio para sustentar a vida na sua face, porquanto, diz ele, se por acaso a Terra se movimentasse em sua rotação, apenas com a velocidade de um décimo, ou seja, de 160 quilômetros por hora, a vida nela seria impossível.

Isto porque os dias seriam de 120 horas e as noites de 120 horas; logo, o Sol de 120 horas queimaria toda a vida vegetal e ameaçaria a vida humana, e depois as 120 horas de sombra (noite) iriam encarregar-se de destruir pelo frio, através da motivação dos continentes gelados.


Logo, alguma coisa estabeleceu a lei de equilíbrio, para que a Terra girasse com tal velocidade.

 

E prossegue dizendo que quando nos detemos a olhar a atmosfera, basta lembrarmos que ela foi programada e medida, porque se a atmosfera da Terra fosse mais rarefeita de apenas um quilômetro, a vida no orbe seria impossível, porquanto se sabe que caem sobre a Terra …diariamente cerca de 50 milhões de meteoritos, e que se não fosse por essa atmosfera, que pelo atrito os rala e dissolve, a Terra seria bombardeada 50 milhões de vezes por dia, lavrando incêndios e destruições inomináveis, e a vida na Terra seria portanto impossível.

9.jpgBastava que o fundo do mar fosse mais profundo de 3 metros e a vida seria impossível, porque o oxigênio do ar bem como, o ácido carbônico seriam absolvidos pelas águas, matando toda forma de vida, quer no seio das águas, quer na superfície lisa; caso a superfície da Terra fosse mais alta de 2 metros, o fenômeno seria oposto e a vida seria consequentemente impossível.

Se por acaso a distância que separa a Lua da Terra não fosse de cerca de 370 mil quilômetros, mas de apenas 70 mil, a vida seria impossível, porque a pressão magnética do satélite sobre os mares faria levantar ondas tão altas e terríveis, que as marés e preamares destruiriam totalmente a vida na Terra, lambendo os picos mais altos do Himalaia.

C:\Documents and Settings\xy\Meus documentos\Polos.gifNa mesma ordem de raciocínio, se a inclinação do eixo da Terra não fosse 18/24 graus, mas estivesse em uma vertical ou mudasse de posição, a vida seria impossível, porque os gelos dos polos escorreriam pela Terra, levando tudo de roldão.

Desse modo, assegurou o Dr. Morrison, por essa singela lei, e por uma serie de outras leis que seria fastidioso enumerar.

C:\Documents and Settings\xy\Meus documentos\Sol.1.jpgComo, por exemplo, a distância que separa a Terra do Sol – aproximadamente 150 milhões de quilômetros – o que dá à Terra uma tépida sensação de calor, não insuficiente nem demasiada para a manutenção da vida.

 

C:\Documents and Settings\xy\Meus documentos\soho_sol.gifPorque o Sol tem uma temperatura superficial de cerca de 6.648 graus centígrados. Assim, se a Terra estivesse mais próxima, seria destruída pelo calor; se estivesse mais afastada, seria destruída pela falta de calor, dos raios ultravioletas e infravermelhos e dos caloríficos, que mantém o equilíbrio metabólico na vida vegetativa.

Logo, uma inteligência matemática e superior estabeleceu as condições para a vida na Terra.


Não há uma única chance em bilhões para que a vida no nosso planeta fosse o resultado de um acidente.

Não obstante, Deus continua sendo o Grande Anônimo, incompreendido e mal interpretado pelos humanos.

Ante tantos absurdos que os homens dizem tentando explicá-LO; Voltaire, o filósofo mais influente do século XVIII, ironizava: “Eu creio em Deus, apesar de tudo que me dizem para eu acreditar nele…”

Kant, o filósofo da Crítica da Razão Pura, proclamava:“Não creio no Deus, que os homens criaram, mas no Deus que criou os homens.”

Santo Agostinho – (354-430 d. C.) dizia:
“Quando me perguntam que é Deus eu não sei, mas se não me perguntarem eu sei.”

Que é Deus?


(Pergunta de nº1 do “O Livro dos Espíritos”)


– Deus é a Inteligência Suprema causa primária de todas as coisas.
( Resposta de um Espírito superior, mensageiro divino.)


Colaboração:
Mario Leal Filho
São Paulo-SP

Fonte        -                http: //www.comkardec.com/

 

 

 

Albert Einstein Prêmio Nobel de Física (1921)

 

“Creio pessoalmente em Deus e nunca em minha vida cedi à ideologia ateia.

Não há oposição entre ciência e religião.

O que há são cientistas atrasados, com ideias que não evoluíram...

Deus está em todas as minhas teorias e invenções.”