União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

EXISTE FEITIÇO, MALFEITO ? Por: Richard Simonetti

 

 

 

 

 

 

EXISTE FEITIÇO,   MALFEITO ?

 

 

MELHOR ABENÇOAR     -    Por: Richard Simonetti

 

 

 

Questão sempre suscitada, quando se cogita de influências espirituais, diz respeito ao chamado mal encomendado, ou malfeito.

 

Uma senhora, preocupada com o assunto, perguntou: – Chico, isso existe?


A resposta bem-humorada do médium é antológica:

 

– Se você arremessar uma bolinha de borracha numa parede e houver um buraco nela, a bolinha poderá entrar.

 

* * *

 

Quando se fala a respeito desse assunto, sempre imaginamos alguém procurando pessoas que vivem desse expediente, pagando-lhes para evocar malefícios sobre um desafeto.

 

Na verdade, nem é preciso usar nossas economias para isso.

 

Basta que tenhamos muita raiva de uma pessoa, desejando-lhe todo mal, e estaremos gerando o malfeito, em duas frentes:

 

Ação pessoal – emitimos vibrações deletérias a se expandirem em sua direção, como se lhe atirássemos dardos envenenados, passíveis de perturbá-la.

 

Ação de terceiros – espíritos obsessores atenderão nossa evocação, dispostos a colaborar no nefasto propósito. E a assediarão, procurando causar-lhe embaraços variados de ordem física e espiritual.

 

Surtirão efeito tais iniciativas?

 

Aqui entra a imagem feliz apresentada por Chico.

 

Se o desafeto tiver brechas em suas defesas espirituais, a partir de um comportamento indisciplinado e vicioso (o buraco na parede), poderá ser afetado.

Se, porém, for alguém de padrão vibratório elevado, que cultiva bons pensamentos, que orienta sua existência nos caminhos da verdade e do bem, nada de mal lhe acontecerá.

 

A razão é simples: não haverá abertura em sua casa mental, passível de engolir a bolinha, sujeitando-se aos estragos que possa produzir.

 

Portanto, não precisamos temer semelhantes arremetidas de espíritos encarnados ou desencarnados, desde que cultivemos a recomendação de Jesus (Mateus, 26:41): Vigiai e orai para que não entreis em tentação.

 

É o mal em nós que nos leva a assimilar o mal que nos fazem.

 

Podemos ir um pouco adiante, cumprindo outra orientação do Mestre (Mateus, 5:44): … orai pelos que vos perseguem.

 

Se, identificando no desconforto que sentimos, a ação de espíritos perturbadores, encarnados ou desencarnados, orarmos por eles, neutralizaremos tranquilamente o mal que pretendam contra nós.

 

* * *

 

Quanto aos que exercitam o mau hábito de amaldiçoar e aos que chegam ao extremo de efetuar a contratação de malfeitores do Além para prejudicar alguém, por intermédio de pessoas que vivem desse expediente, mais cedo ou mais tarde experimentarão desagradável surpresa: ainda que encontrem brechas na parede, fazendo estragos na vida alheia, a bolinha tenderá a voltar em sua direção, produzindo estragos maiores.

 

Atendendo aos princípios de causa e efeito que nos regem, quem se envolve com o mal acabará vitimado por ele.

 

E há um detalhe: os espíritos que atendem às suas evocações não o fazem por generosidade ou benemerência. Objetivam, por compensação maior, o domínio sobre seus intermediários e contratantes, que acabam caindo em suas mãos.

 

 

 

Portanto, desejar o mal do próximo é má ideia, péssima transação, no intercâmbio com o Além.

 

Melhor abençoar!