União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Os inimigos após a morte

 
 
 
 
 
 
A Terra é um mundo de provas e expiações. Aqui, a maldade ainda predomina e, por esta razão, vivemos envoltos por muita miséria moral. Essa maldade faz parte das provações que nos cabe suportar com paciência e resignação. 

Da mesma forma que o Amor atravessa a morte, a maldade também o faz e, assim, surgem os inimigos desencarnados. Inimigos desencarnados são espíritos que estão em outro plano espiritual e podem ser: 

1. Espíritos que desejam vingança, cobrando dívidas, que foram adquiridas nesta ou em vidas passadas. 

2. Espíritos com desejo de fazer o mal; como eles sofrem, querem que os outros também sofram. 

3. Espíritos que se aproveitam de outros espíritos que sofrem e estão incapazes de resistir às influenciações e os atormentam. 

O inimigo desencarnado que deseja vingança, aproveita que seu inimigo está encarnado para atormentá-lo mais facilmente, uma vez que, desencarnado, o espírito está mais livre. Esta é a causa da maioria das obsessões, onde o obsessor e o obsediado são atingidos pelas próprias condutas, isto é, por não terem se perdoado mutuamente, por não serem indulgentes e nem caridosos. 

Para que este quadro de perseguição não seja levado para a Espiritualidade e não se perpetue em existências futuras é importantíssimo, enquanto encarnado, esquecer o orgulho, desenvolver a humildade se reconciliar com o inimigo estabelecer a paz, perdoar e buscar o perdão. 

À medida que o homem utiliza o seu livre-arbítrio com responsabilidade, isto é, trilhando o caminho do bem, estudando obras sérias, freqüentando lugares dignos, ele vai progredindo, crescendo espiritualmente e, ao mesmo tempo, dá bons exemplos tanto para encarnados, quanto para desencarnados. 

Nesse momento, ele pode conquistar ou reconquistar amigos. Dessa forma, se ele anteriormente perdeu a oportunidade de se reconciliar com um inimigo que desencarnou, agora, através de seus bons exemplos, pode responder o seu perdão, bem como trazê-lo para o campo do bem; ou afastá-lo de seu dia-a-dia, caso esse inimigo sinta repulsa pelo bem. 

No lugar em que vivemos estamos cercados de espíritos encarnados e desencarnados que tem afinidade com o nosso próprio espírito, isto é, são simpáticos ou não com as nossas atitudes, pensamentos, ações, etc. 

Então, para livrarmos de qualquer ação nociva, devemos praticar a caridade, enfim amar usando, sempre, o perdão que é uma luz que o ofendido acende no caminho do ofensor em apoio a nossa própria libertação para a vida imperecível. 

Por isso mesmo, perdoar em qualquer situação será, sempre, a vitória do Amor. Pense nisso e seja feliz! 

João Cabral - Presidente da ADE-SERGIPE. Jornalista e Radialista. Psicoterapeuta Transpessoal. 

Website. www.ade-sergipe.com.br 

Publicado no Jornal CINFORM de Aracaju no dia 23.08.2010 com uma edição semanal de 24.000 exemplares.