União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Você os ama, mas eles te ofendem, te exploram, te desprezam.O que fazer?

 

 

 

 Provação Redentora 

A voz que laboraste por modular docemente agora se transforma em brado de acusação impiedosa;

as mãos que uniste muitas vezes dentro das tuas, em gesto de ternura, parecem prontas a agredir-te;

o rosto tantas vezes osculado com meiguice surge congestionado diante da tua presença; 

os gestos que plamastes com incansável devotamento, fazem-se bruscos e violentos em desafio a tua serenidade, aqueles olhos que enxugaste com desvelo, quando choravam, fitam-te com chispas de ódio; 
o corpo que embalaste noites a fio, ora freme de revolta e se agiganta diante do teu atual carinho;

todo aquele ser que cumulaste de amor, então, se contorce sob o gás da rebeldia e não trepida em malsinar-te, ferindo as mais caras aspirações que demoradamente acalentaste, bem como os nobres objetivos que toda a vida perseguiste - a meta da tua realização interior.

Insultado por tão grotesca reação tentas, ainda, acercar-te do ser querido, escondendo a decepção e a dor íntima;
no entanto, não consegues transpor a barreira entre ti e ele, colocada propositadamente para produzir distância, não obstante o êxito dele depender do teu suor e da tua solidão, das tuas lágrimas e dos teus silêncios.

Permite-se acusar-te, censurar-te, escusar-te e não te concede a condição ao menos de "ser humano". 

Reserva-se o direito de magoar-te e explora os teus sentimentos para pisoteá-los depois. 

Enquanto o envolves em otimismo, há muito tempo a inferioridade dele espezinha-te com recalques cruéis, que procedem de vidas consumidas no passado do Espírito e não te oferece a concessão das queixas ou das justas censuras que são descargas da tensão que te atormenta.

E dizer que te deste com o melhor que possuías, oferecendo-te todo por ele, para e felicidade dele!

Retempera, porém, o ânimo e insiste no dever que te cabe ou que assumiste, mesmo incompreendido, apesar de sitiado pela ingratidão com ele te retribui o carinho demorado.

Seja qual for o ingrato - filho, amigo, afeto, companheiro -, é alguém vitimando-se com o ácido que o destruirá logo depois.

A ingratidão é enfermidade de erradicação difícil e demorada;
a rebeldia reflete distonia espiritual;

o azedume exterioriza infelicidade inferior; a agressão atesta primitivismo;

o cólera é morbidez de complexa definição no campo da mente em desalinho.

Todo aquele que se permite conduzir por tais caminhos da indisciplina e do orgulho merece caridade pelo tratamento do amor que ora e socorre, insiste ao lado e não revida mal por mal.

Ele, aquele que te acicata o espírito, caminhará pela estrada da experiência, avançando na rota do futuro.

Aprenderá inevitavelmente e tornar-se-á brando. Não é necessário que o desejes: - A VIDA SE ENCARREGA DE NÓS TODOS, CADA UM A SEU TURNO...

É pena - e sofres com isso - que te não saibas valorizar o amor, aquele que hoje te fere e subestima.

Jesus, porém, experimentou, e em grau muito maior, a ingratidão e o desinteresse dos companheiros mais amados. MEDITA NELE, NA SUA VIDA E NÃO TE ABALES COM A PROVAÇÃO REDENTORA.

FELIZES SÃO OS QUE AMAM, E AMAM SEMPRE, RECONHECIDOS, FIÉIS.

Os outros, dentre os quais o ser que ora não te retribui amor por amor, já estão justiçados em si mesmos, sorvendo a amargura da inquietação e o tóxico da insegurança pessoal, que os envenenam paulatinamente.

"Mas na hora de provação volta atrás". - (Lucas 8:13).

"Os que, ao contrário, usam mal da liberdade que Deus lhes concede retardam a sua marcha e, tal a obstinação que demonstrem, podem prolongar indefinidamente a necessidade da reencarnação e é quando se torna castigo." (São Luís. (Paris, 1859) - E. S. E. - Cap.IV - Item 25).

Franco, Divaldo P.. Da obra: Florações Evangélicas. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis.