União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Por que Lucien ficou Leproso?

 

 

 

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  



Moço, cheio de vida, sensível, músico de futuro; de família rica e muitos sonhos...mas, ainda jovem estranha enfermidade apareceu-lhe...sentia as mãos enfermas, inflamações nas articulações e dores; ligeira despigmentação nos pés e inchaços. Fora diagnosticado: - era lepra. Sua vida mudou completamente.

Sua família para não ser discriminada pela sociedade que frequentava o internou e pediu que a esquecesse. Dias e anos de sofrimentos, solidão e muita dores. Até o seu desencarne numa colônia de leprosos, antes de completar 30 anos. Mas, por quê? Por que esse sofrimento, por que essa doença? O Espírito Victor Hugo, Escritor Francês, pela psicografia de Divaldo Franco, nos conta no livro Sublime Expiação(FEB) a história de Lucien.

Nessa História vemos que as provas e expiações às vezes se demoram a concluírem e o motivo da prova de Lucien com a Lepra começou 400 anos antes. Ele viveu no ano de 1500 na Itália, seu nome era Giuliano, moço forte, alto, loiro, olhos azuis, corpo atlético, grande músico obteve da espiritualidade a oportunidade de reencarnar para liberar-se de velhas tramas infelizes que no passado se enredara. Mas não aproveitou a oportunidade de melhorar-se.

Desnorteado pele luxúria e embriagado pelos excessos perdeu-se nos descaminhos da vida. Com sua aparência, capacidade, juventude e sua força atlética conseguia a simpatia da aristocracia de Roma e de suas autoridades. Tornou-se corrupto qual muitos da época. Sentia-se superior, era arrogante achava que tudo podia. Queria conquistar o poder, as mulheres e a riqueza.

E para isso até conduzia-se pelos caminhos do crime. Sua vida foi contrária ao que a espiritualidade esperada dele. E num momento de sua existência tumultuada pelas ilusões do mundo e pelos erros que cometia para conquistá-las, Lucian conheceu uma Condessa, viúva, rica e mãe de uma jovem de 15 anos. Atraído por sua beleza e riqueza quis por toda forma conquistá-la. Mas a Condessa não quis seus galanteios e o recusou.

Não se conformando com a rejeição e ferido em seu orgulho jurou que ela pagaria por ofendê-lo e que a possuiria de qualquer jeito. Passado não muito tempo, contratou dois mercenários e raptou a Condessa e sua filha. E numa de suas visitas às prisioneiras, por haver sido novamente recusado, começou a bater e machucá-las furiosamente. Até que as apunhalou ferindo gravemente a Condessa. E em seu último suspiro de vida a vítima falando sobre sua vida fê-lo descobrir que ela era sua mãe. Ele havia sido tirado da mãe quando pequeno porque era filho bastardo.

E o choque foi tão grande que desequilibrou-se e apunhalou seu próprio coração, suicidando-se. Fora do corpo fora violentamente atacado por espíritos obsessores que já o acompanhavam e por muito tempo foi vampirizado por eles no Umbral. Por que demorou tanto para ele passar por essa prova da lepra? Ficou muito tempo sob o domínio dos obsessores.

Quando teve as primeiras oportunidades de reencarnar, perdeu varias oportunidades por ser abortado devido a graves desequilíbrios e fluidos tóxicos acumulados em seu perispírito. Até que muito mais tarde, 400 anos depois retornaria pela hanseníase, para sua depuração e recomeçar a luta renovatória com o nome Lucien. Então, queridos amigos, nada acontece por acaso e ninguém sofre inocente. Jesus confirma a Lei de Causa e Efeito quando dizia... ”Colhemos o que semeamos!”. Victor Hugo nos diz, “Não recueis ante o testemunho mais assustador, nem fujais às aflições do dia-a-dia. Erguei-vos, tristes e desconsolados da Terra, pela oração, impregnada de confiança.

Concluída a áspera provação, saireis do corpo, qual borboletas coloridas, libertadas pela transformação das lagartas vagarosas e rastejantes, voejando no leve ar do dia em luz. Bendireis, então, haverdes sofrido, e louváreis o corpo generoso que vos serviu de casulo. Esperai, portanto, almas que chorais sem nada possuirdes além da consolação da fé e do murmúrio das próprias orações. Jesus vos conhece e sabe das vossas agonias “.