União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Como fazer para termos paz

 

 

 

J. Garcelan 

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Um de nossos canais de televisão divulgou uma notícia (ainda bem que não com tanta ênfase), no mês de janeiro de 2007, sobre uma igreja situada em uma localidade na Austrália. O templo dedicado a uma religião protestante ou evangélica ostentava um grande cartaz (outdoor) que dizia em grandes letras “JESUS AMA OSAMA BIN LADEN”. A comunidade, ou parte dela, revoltou-se com essa frase e o Governador do Estado ou Província, (não sei bem), veio a público, através de um canal de TV., condenar a atitude da organização religiosa (por sinal bastante conhecida no mundo inteiro), dizendo que a igreja estava enganada.

Pergunto aos possíveis leitores deste artigo, a igreja estava enganada? Vou responder eu mesmo essa indagação, depois de uma enquete feita durante uma exposição no Centro Espírita em que milito. É claro que não! Se a intenção do dirigente da Igreja é chamar a atenção de que devemos perdoar aos nossos inimigos como consta no Segundo Testamento no Evangelho de Matheus, capítulo V, v. 20 e de 43 a 47, certamente, é mais um irmão a espalhar a Boa Nova neste mundo conturbado e materialista. Se, ao contrário, existem motivos escusos por trás dessa divulgação, provavelmente responderá como tantos outros perante sua consciência em futuro próximo.

O que nos causa espécie é que uma comunidade e seus dirigentes respondam a esse apelo da Igreja, dizendo estar ela equivocada.

Isso nos faz lembrar (provavelmente estou repetindo a história) de uma das biografias de Eurípedes Barsanulfo onde ele relata um desdobramento e se vê em um lugar “paradisíaco”. Ao longe, avista sentado em uma pedra um vulto. Aproxima-se e reconhece Jesus. No rosto do Mestre, lágrimas. Pergunta Eurípedes: - porque choras Senhor? - Choro por aqueles que conhecem o Evangelho e não o praticam.

Na verdade esse fato vem se repetindo há séculos. Mas, é difícil entender que em pleno século XXI, ainda tenham pessoas que tendo à disposição os mais variados meios de comunicação e em todas as línguas do mundo, e que se dizem Cristãos, possam de alguma forma pensar que há um Cristo para cada ocasião ou interesse particular.

O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo XII, item 3 (edição IDE-outubro de 1984), começa assim: Se o amor ao próximo é o princípio da caridade, amar aos inimigos é sua aplicação sublime, porque essa virtude é uma das maiores vitórias alcançadas sobre o egoísmo e o orgulho.

A partir do registro da história universal, na medida em que a civilização ia adquirindo conhecimentos mais elevados, na arte, nas ciências, na filosofia e infelizmente o que chamam de Arte da Guerra, as conquistas por espaços pelo simples prazer de conquista ou domínio eram comuns. Tanto é que várias civilizações desapareceram da face da terra ou simplesmente se fundiram ao povo dominante. Poucos anos atrás tivemos na Europa, exemplo do que estou escrevendo, a Macedônia, que um dia dominou o mundo conhecido na época, dividiu-se em vários países e só recentemente, depois de algumas guerras locais e sangrentas, surgiram novamente como nações independentes e ainda há conflitos para se firmarem.

Alguns desses países professam a religião Muçulmana, outros a Protestante e outros mais a Católica e mais algumas religiões com menor número de prosélitos.

O mais interessante de tudo isso, é que a hipocrisia é levada ao último grau. Muitos desses líderes guerreiros, dizem que os conflitos são para irem à busca da Paz.

Todas as religiões mencionadas pregam o amor ao próximo só que, a exemplo do governador da província ou estado da Austrália e a maior parte do povo daquela parte do mundo acham que a igreja está enganada.

Não foram poucos os ditadores e governantes cruéis e muitos outros com poder sobre os mais fracos que ficaram perpetuados na História. Milhões e Milhões de pessoas foram sacrificadas ao longo dos milênios. Mas, agora vem o mas... Quem somos nós para julgar a quem quer que seja? Os Protestantes limitam-se a letra escrita no Novo Testamento. Parabéns! Que todos assim procedessem. Veriam ainda que “De meu rebanho, nenhuma ovelha se perderá”. E assim por diante. Não importa que os indivíduos estejam aparentemente perdidos, pois um dia serão encontrados e redimidos, uma vez que serão reconduzidos ao rebanho.

Nós Espíritas sabemos muito bem disso, e não nos lembramos do que fizemos (graças ao amor do Pai) em encarnações passadas. Não teríamos sido um desses cruéis indivíduos? Lembram-se da história de Emmanuel, mentor de Francisco Cândido Xavier? Foi senador de Roma, escravo, padre que desencarnou com lepra etc. – O que será que espera os que se desviaram do caminho nos dias de hoje? – Oremos por eles. E o Determinismo? Onde se situa? Causa e Efeito, uma lei do Universo e não nos esqueçamos que o Pai não revoga Suas próprias Leis.

O nome Osama Bin Laden, serviu apenas com o pivô para escrevermos este artigo, uma vez que é de domínio público o fato acontecido graças à divulgação da imprensa mundial. Não mencionamos nome algum, mas como digo sempre, basta pesquisar a História e lá estão os registros.

COMO CONTRIBUIR PARA A PAZ 

Os fatos aí estão. Agora, cabe a cada um de nós analisar a situação e constatar através da leitura do Novo Testamento ou de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, para quem pretende ser espírita (ou já é), que a tão sonhada Paz virá quando cada ser humano entre seis bilhões de habitantes da Terra estiver amando seu próximo como a si mesmos, inclusive aos seus inimigos.

Assim, quando o amor for a emoção mais forte na família e o respeito e a camaradagem entre vizinhos for uma constante; quando nas ruas soubermos controlar nossa agressividade; quando o contato com nossos empregadores ou subordinados for de compreensão, tolerância e indulgência; quando, com paciência apreendermos a ouvir; quando, antes de falar refletir rapidamente naquilo que será transmitido através do órgão da fala (“águas que correm e flechas disparadas não voltam”); quando, enfim, a sinceridade se instalar entre os seres humanos, o caminho da Paz estará aberto definitivamente.

Portanto, meus irmãos, sejam vocês quem forem, não importa que tenham sido ou são criminosos, ou que a mídia e a sociedade de um modo geral clama por uma lei que os conduza a morte - “Olho por Olho, Dente por Dente”-, o que importa e a Lei do Pai e os ensinamentos transmitidos por Jesus. Ensinamentos estes que deverão ser seguidos um dia por toda a humanidade, quando começarem a praticar “O Verdadeiro Cilício”, ou seja, fustigar a própria consciência, eliminando seus defeitos morais.


Publicado na Revista Internacional de Espiritismo – Ano LXXXII N.3 – Abril, 2007. p.145.