União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Testemunhar a Fé

 

 

 

 

 

Felinto Elízio Duarte Campelo 

“Porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido”.

(Atos dos Apóstolos 4 : 20)

Muito embora menos do que em décadas passadas, há, nos dias atuais, um acentuado preconceito, uma indisfarçada intolerância, uma injustificada perseguição das igrejas dominantes e seus adeptos, contra a Doutrina Espírita e seus profitentes. 

Esses nossos inimigos gratuitos mentem, difamam, distorcem fatos, tudo no intuito de confundir a grande massa de leigos carentes de uma orientação sadia, independente de sectarismo.

Esquecem-se esses nossos irmãos invigilantes, do mandamento da Lei de Deus:

“Não dirás falso testemunho”.

Recusam-se a aceitar que a fraternidade universal há de reger, mais cedo ou mais tarde, o relacionamento entre pessoas, instituições, povos e nações. Ignoram deliberadamente preceitos cristãos, como tais: 

“Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento; este é o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante ao primeiro: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos”. (Mateus - cap. XXII, vv. 37 a 40).

“Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos”. (João - cap. XIII, vv. 34 e 35).

Por tudo isso, alguns espíritas, receosos em face da campanha injuriosa movida contra o Espiritismo, ocultam sua fé temendo enfrentar o sarcasmo daqueles que se arvoram em detentores absolutos da verdade.

Entretanto, ficou para nós o exemplo de desassombro deixado pelos Apóstolos Pedro e João. Interpelados e ameaçados pelos arrogantes sacerdotes Anás e Caifás a respeito das pregações de Jesus, responderam:

“Julgai vós se é justo, diante de Deus, ouvir-vos antes a vós do que a Deus; porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido”.

Espíritas, dêem o testemunho de sua fé, como os Apóstolos, com destemor, sem dissimulação; mostrem-se, outrossim, como modelo de evangelização, livres de ressentimentos dos nossos irmãos que, por atraso moral, nos caluniam e perseguem, tendo sempre presente em suas mentes as palavras de Jesus contidas em Mateus - cap. V. vv. 11 a 16:

“Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós. Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para mais nada presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo: não se pode esconder uma cidade edificada sobre o monte; nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus”.

Disponível em http://www.evangelho.espiritismo.nom.br/Artigos/Obra.as