União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

ESPIRITISMO E RELIGIÃO (cursos básicos)

 

Num discurso proferido na Sociedade Espírita Parisiense - registrado na Revista Espírita, 1868 - Allan Kardec coloca o tema: “Espiritismo é uma Religião?” 


“É sim, senhores, sem dúvida uma religião e disso nos honramos, pois é a doutrina que funda os laços da fraternidade e da comunhão de pensamentos, não em uma simples convenção, mas sobre a mais sólida das bases; as próprias Leis da Natureza. 

Por que então declaramos que o Espiritismo não é uma religião? 

Porque não há uma palavra para exprimir duas idéias diferentes, e que, na opinião geral, a palavra religião é inseparável da de culto; desperta exclusivamente uma idéia de forma, que o Espiritismo não tem. 


“Se o Espiritismo se dissesse uma religião o público não veria aí senão uma nova edição, uma variante, se quiser, dos princípios absolutos em matéria de fé; uma casta sacerdotal com seu cortejo de hierarquias, de cerimônias e de privilégios; não o separaria das idéias de misticismo e dos abusos contra os quais tantas vezes se levantou a opinião pública.” 


Por fim, Kardec conclui: “Eis porque simplesmente se diz: doutrina filosófica e moral.” 

Para nós, espíritas, religião significa ligação com Deus, respeitando suas Leis que Jesus nos ensinou. É termos religiosidade. 

Emmanuel, em uma de suas colocações afirma: - 

“Na Doutrina Espírita, a Filosofia reflexiona, a Ciência indaga, o Evangelho ilumina. A Filosofia e a Ciência são os meios, o Evangelho é o fim.” 

Apesar de algumas opiniões contrárias, o Espiritismo é o “Cristianismo Redivivo”. 

O Cristo encarnou no Planeta em momento que julgou oportuno para dar continuidade as Leis Mosaicas e trazes a “Boa Nova”. 

Sua vinda foi amplamente anunciada por Isaias, Miquéias e Jeremias; Zacarias anunciava a “vinda de um rei, mas que será humilde e pacífico”. 

Jesus veio, pregou, exemplificou e afirmou “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; Ninguém vai ao Pai, senão por mim.” 


Kardec indaga aos Espíritos, na questão 625, do O Livro dos Espíritos: 

“Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo?”, a resposta: - “Jesus.” 

Devemos, portanto, seguir seu exemplo vivendo dentro de um comportamento ético moral; procurando “Amar o próximo como a nós mesmos” e para isso é necessário abjurar todo sentimento de ódio, compreender e perdoar, esta é a maneira de vivermos uma religião de amor, vivermos com religiosidade. 

Texto de Ana Gaspar 


Bibliografia - Livro dos Médiuns - Editora Lake - Pode-se usar o Livro dos Médiuns de qualquer outra editora. 

(Casas André Luiz)