contato@usepiracicaba.com.br | 19 -1234 5678

No capítulo dos sofrimentos voluntários, se somássemos os problemas, conflitos, obstáculos e tribulações decorrentes da prevenção que alimentamos habitualmente contra aquilo que os nossos irmãos estejam pensando ou poderiam pensar, decerto que chegaríamos a conclusões espantosas acerca de aflição desnecessária e tempo perdido. Oponhamos o bem ao mal e deixemos aos outros a faculdade de serem eles mesmos. Esse amigo ter-nos-á omitido o nome para determinada manifestação de alegria... Outro companheiro nos haverá negado a saudação que lhe endereçamos com frase amistosa... Pessoa querida passou indiferentemente por nós com o semblante carregado de preocupação ou azedume... Certo colega terá erguido demasiadamente a voz, ferindo-os a sensibilidade, por bagatelas... E caímos nos excessos de imaginação, fantasiando ofensas que não existem.

Aprendamos a considerar que, tanto quanto nos acontece, os outros também podem sofrer lapsos da memória, contrariedades imanifestas, inquietações e doenças. E lembremo-nos: toda vez que descambamos para semelhantes desequilíbrios, somos igualmente capazes de esquecer ou ferir, sem participação de nossa vontade. Evitemos a prevenção no cotidiano, a fim de que a nossa vida encontre o máximo de rendimento no bem.

Confiança em Deus.
Consciência tranquila.
Dever cumprido.
Trabalho à frente.

E, fazendo todo o bem que se nos faça possível, por todos os modos justos, em todas as ocasiões, com todos os recursos ao nosso alcance e para com todas as criaturas, nunca nos previnamos contra quem quer que seja, porque os pensamentos dos outros pertencem a eles e não a nós.

Referências Bibliográficas:

Pelo Espírito Emmanuel, extraído da obra Rumo Certo. Lição nº 32. Página 119, psicografado por Francisco Cândido Xavier.