contato@usepiracicaba.com.br | (19) 3402-8022

Há séculos, num carro de esplendores,
Minha vida era a angústia de outras vidas,
Estraçalhava multidões vencidas,
Coroado de púrpura e de flores.

Depois... A morte, os longos amargores...
Depois ainda... A volta a novas lidas,
O berço pobre, o manto de feridas,
A solidão e os prantos redentora.

Volve do rei antigo um réu que espanta,
E o Senhor concedeu-me a lepra santa
Para cobrir-me em chagas benfazejas!...

Mas, hoje, livre enfim de toda algema,
Posso saudar a dor justa e suprema:
– Emissária da luz, bendita sejas!...

Referências Bibliográficas:

Pelo Espírito Jesus Gonçalves, poeta, jornalista e teatrólogo. Filho de pais pobres, só à custa de muito trabalho e esforço próprio conseguiu ocupar o cargo de tesoureiro na Prefeitura Municipal de Bauru. Inteligente e estudioso, fez parte da redação do Correio da Noroeste, da mesma cidade. Por volta de 1930, ao saber-se portador do mal de Hansen, abandonou aqueles; cargos. Internando-se no Asilo Colônia de Aimorés, prestou ativa e ampla colaboração às autoridades do Sanatório e aos companheiros de infortúnio. Transferido, em 1937, para o Asilo Colônia de Pirapitingui, aí construiu e dirigiu um Centro Espírita, que, a seu tempo, constituía autêntico oásis de paz para quantos ali se encontravam agrilhoados ao carro da provação. Sua vida, como ele mesmo o afirmou (Flores de Outono, pág. 7), está dividida em duas etapas, – a do homem comum, sem objetivo além da morte, e a do homem espírita-cristão, que já viu os clarões da aurora boreal da imortalidade». Não obstante coberto pelo manto da lepra redentora, o poeta de Uma Vida soube alimentar a esperança, confiante na Providência. (Borebi, Est. de S. Paulo, 12 de Julho de 1902 – Asilo Colônia Pirapitingui, Est. de S. Paulo, 16 de Fevereiro de 1947). Bibliografia: Flores de Outono. Extraído da obra “Antologia dos Imortais”, psicografado por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.