União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

DIVALDO ABORDA A NOVA GERAÇÃO DE ESPÍRITOS E A EDUCAÇÃO

 

 

 

 

DIVALDO DÁ ENTREVISTA AO JORNAL DE JALES  QUE  ABORDA A NOVA GERAÇÃO DE ESPÍRITOS E A EDUCAÇÃO.

 

J.J. - Algumas crianças são muito inteligentes e dóceis, mas outras são inteligentes e agressivas. Como entender cada grupo para lidar com essa situação?

Divaldo - Nós vivemos o momento da hiperatividade, com crianças com déficit de atenção , caracterizando uma nova geração de espíritos. Então, os estudiosos recomendam uma nova psicopedagogia. O notável filósofo e pedagogo francês Edgar Morin criou os sete saberes da educação, atendendo a uma proposta da UNESCO, quando lançou, em 1999, o seu conjunto de observações em torno dos métodos modernos da educação. É indispensável aprofundar a problemática da educação doméstica através do exemplo, como fundamental.

J.J. - Dentro de todo esse contexto, temos crianças muito mais informadas que os pais e professores sobre diversos assuntos. Nesse sentido, a educação precisa mudar, ou basta melhorar?

 

Divaldo - É necessário revisar vários vícios da tradicional pedagogia metodológica, estabelecendo, acima de tudo, a preparação do indivíduo para ser, para conhecer, para viver, para relacionar-se, conforme a proposta que foi apresentada na UNESCO.

 

J.J. - Isso significa que as crianças que estão chegando, hiperativas, com déficit de atenção e com toda essa situação diferenciada é a nova geração que o codificador do espiritismo, Allan Kardec, tanto falava, que eles viriam para ajudar na transformação para um mundo melhor?

 

Divaldo - Exatamente. Allan Kardec, em A Gênese, teve a oportunidade de falar da geração nova, aquela que virá preparar a humanidade do futuro. É claro que estão vindo, neste momento, espíritos rebeldes, para quebrar as velhas estruturas. As entidades venerandas, concomitantemente, também estão chegando. Em breve serão como as estrelas que cairão sobre a Terra, para iluminar o mundo.

 

J.J. - Por que essas propostas da UNESCO só agora estão começando? A mudança radical na educação ainda é uma utopia?

 

Divaldo - A educação é a base. Nós vivemos sempre de experiências diferenciadas e é claro que essas propostas têm sido sempre renovadas. Recordemos da escola de Summerhill, da Inglaterra, a escola de Dewey, a escola apresentada pelos modernos psicólogos da área da pedagogia. E vemos que são ensaios. Então, é natural que a UNESCO, preocupada com a educação no mundo, esteja lançando novas propostas, até encontrar a ideal.