União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Entrevista com Dr.André Luiz Peixinho pelo Instituto de Cultura Espírita do Brasil*

 

 

 

 

Dr.André Luiz Peixinho 

Peixinho pelo Instituto de Cultura Espírita do Brasil*(médico, psicólogo, professor, conferencista)


ICEB - QUAL O CONCEITO DE VIDA NO MUNDO ESPIRITUAL?

ALP - Não temos um conceito apropriado para a vida no mundo físico, embora saibamos com clareza o que chamamos de ser vivo pelas suas propriedades de autopoieses, multiplicação, interação ambiental, autorregulação e individuação.
Da mesma forma é difícil caracterizar vida em outra dimensão, pois a linguagem humana foi construída centrada no espaço-tempo-matéria. O que podemos afirmar, com base na experiência mediúnica, é que seres espirituais, com conformação ajustada à dinâmica de sua realidade existencial não física, vivem os processos pertinentes às suas necessidades e motivações.

ICEB - HÁ EVOLUÇÃO NO MUNDO ESPIRITUAL?

ALP - A evolução é fenômeno universal e, assim é intrínseco à manifestação do espírito em qualquer dimensão existencial.
Através dela, realizamos a perfeição divina em nossas manifestações, conscientizamo-nos sobre nossa unidade fundamental com Deus e nos tornamos co-criadores cósmicos.
O mundo físico é apenas uma pequena faixa do Cosmos, percebida pela consciência e nela não se esgota o transformismo evolutivo.
As informações espirituais relatam experiências multidimensionais fora do mundo material, que demonstram a existência de vários mundos dentro do chamado mundo espiritual, cujas barreiras de percepção entre si assemelham-se àquelas que detectamos na relação entre encarnados e desencarnados.
Ora, essas faixas de atuação diferenciadas no mundo espiritual são de níveis evolutivos diferentes, por onde transitam os espíritos no trabalho em busca de plenitude.

ICEB - DE QUE MANEIRA O PERISPÍRITO FUNCIONA COMO CORPO DO ESPÍRITO ENQUANTO DESENCARNADO?

ALP - O perispírito é uma construção do espírito adaptado às suas demandas existenciais.
Na verdade, não temos linguagem adequada para descrever o que é o espírito, pois não podemos incluí-lo na categoria das coisas ou dos seres que se expressam conformados pelas condições materiais. O perispírito como sua manifestação, entretanto, pode ser descrito como recorda Kardec, pois tem uma constituição semimaterial.
Ele, por analogia, é o envoltório do espírito e realiza as funções que são próprias a cada faixa evolutiva.
Influencia o mundo físico como modelo organizador biológico. No mundo espiritual reflete as características psicodinâmicas do espírito e conserva traços da última encarnação, tanto mais fortes quanto maior for o apego às experiências vividas. À medida que o psiquismo se desloca do polo material para o espiritual, o perispírito se modifica deixando as formas humanas para trás, como memórias de um momento existencial evolutivo.

ICEB - O ESPÍRITO DESENCARNADO SONHA, COME, BEBE, RESPIRA?

ALP - As funções fisiológicas do corpo humano podem servir apenas por analogia à descrição do funcionamento do espírito e, mesmo assim, na faixa evolutiva próxima ao estado físico. Com a desencarnação, o espírito arraigado às vivências terrestres terá desejos e necessidades idênticas ao mundo biológico que lhe é tão familiar, e manterá o perispírito com estruturação similar ao corpo físico, que foi por ele modelado.
No capítulo da nutrição, relatam alguns espíritos, estas necessidades são atendidas, realizando processos de simbiose e de parasitismo psíquico com os encarnados e, caso se situem em regiões espirituais com características bem terrestres, alimentam-se com substâncias similares, constituídas por matéria fluídica, o que elimina, pela essencialização dos elementos, a necessidade de órgãos emunctórios de sólidos e líquidos.
Se evoluídos, constituem sua sustentação através da difusão cutânea de produtos do reservatório da Natureza e de raios vitalizantes do amor.
Quanto ao sonho, o que já sabemos é que o mesmo ocorre em períodos similares ao nosso sono. Para melhor entendermos tal fenômeno, vale recordar que o perispírito é também descrito como uma superposição de camadas que podem se dissociar. Assim, utilizando-se de uma linguagem corrente nos estudos espirituais, dizemos que o mesmo é constituído de corpo astral, corpo mental, corpo causal etc. o que permite o desdobramento para possibilitar as vivências oníricas.
Embora conheçamos relatos de necessidades sexuais no mundo espiritual próximo ao terrestre, usualmente saciadas no intercâmbio com encarnados, as mais completas informações mediúnicas asseguram que há substanciais diferenças entre os órgãos genésicos corporais e seus equivalentes espirituais, em termos de função.
Verifica-se que a aparência ou fenótipo masculino e feminino persistem. Entretanto, não identificamos nenhum fenômeno procriativo semelhante às gestações terrestres. Isto não quer dizer que a sexualidade, como expressão de um fenômeno universal de união de qualidades, não ocorra. Temos muitos relatos de união espiritual com enriquecimento mútuo, através das experiências de comunhão afetiva.

ICEB - QUAIS OS MECANISMOS DE COMUNICAÇÃO ENTRE OS ESPÍRITOS?

ALP - A linguagem dos desencarnados é a imagem de si mesmo exteriorizada. Ainda podem conservar o hábito da comunicação verbal e, inclusive, viverem a limitação existencial de não saberem expressar-se em diferentes idiomas, pois nas zonas próximas ao mundo físico, há ainda o denominado espaço das nações. 
Quanto mais evoluído, mais predominante a linguagem através do pensamento e da imagem, em circuitos de beleza e amorosidade. Se, porém, muito inteligentes, com mentes vigorosas e de baixo nível moral, também podem se utilizar destes recursos, mas plasmarão telas aflitivas, e suas ondas mentais serão de sofrimento.


ICEB - HÁ ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS QUE COMPROVAM A VIDA NO MUNDO ESPIRITUAL?

ALP - Os modelos acadêmicos, por necessidade histórica e paradigmática, normalmente definem seus projetos numa perspectiva materialista. E, assim, não problematizam questões como sobrevivência à morte corporal etc. Entretanto, verificamos existir, como exceções, estudos de boa qualidade por profissionais universitários que pesquisam EQM (experiências de quase morte), memória extracerebral, marcas de nascença, transcomunicação instrumental, neuroteologia, filosofia da religião, conscienciologia, entre outros que fazem incursões, ainda que tímidas, no mundo espiritual.
Com a progressiva insatisfação com o paradigma materialista e o advento de um modelo investigativo centrado na consciência ou espírito, já em construção a partir dos contributos da nova Física e da Epistemologia transdisciplinar, as pesquisas deverão avançar mais rapidamente, como se pode perceber pela criação de núcleos acadêmicos de medicina e espiritualidade em grande parte das universidades americanas, e a instituição de cursos de especialização em Psicologia Transpessoal do Ocidente.



*Presidente da federação Espírita da Bahia. Possui graduação em MEDICINA (1975), FILOSOFIA (1985), PSICOLOGIA (1993), mestrado em MEDICINA INTERNA (1980) e doutorado em EDUCAÇÃO (2002) todos pela Universidade Federal da Bahia. Especializado em TERAPIA REGRESSIVA A VIVÊNCIAS PASSADAS( 1996) pelo Woolger Training Internacional (EUA). Atualmente é professor titular de Saúde da Família da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, professor adjunto IV da Faculdade de Medicina da Bahia, coordenador pedagógico do Instituto Junguiano da Bahia, coordenador do Centro de Decisão da Sociedade Hólon e membro do Conselho da Fundação José Petitinga.