União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas
Calendário Espírita USE Piracicaba
1
Ter
2
Qua
3
Qui
4
Sex
5
Sáb
6
Dom
7
Seg
8
Ter
9
Qua
10
Qui
11
Sex
12
Sáb
13
Dom
14
Seg
15
Ter
16
Qua
17
Qui
18
Sex
19
Sáb
20
Dom
21
Seg
22
Ter
23
Qua
24
Qui
25
Sex
26
Sáb
27
Dom
28
Seg
29
Ter
30
Qua
31
Qui

A Humanização do Centro Espírita ( 37 sugestões)

A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)

Notícias Caminhos de Luz >>

 

Tv Da Federação Espírita Brasileira

Leia O Evangelho segundo o Espiritismo

Mensagens >>

Lembra-te da caridade da palavra, a fim de que possas praticar o Amor que o (...)

Pensamentos >>

   “O ponto mais alto da bondade não está no alto, fica  no coração”  (Jairo Capasso)                               (...)

O Arauto >>

Página 8 - Arauto Infantojuvenil- As Sementes

Poesias >>

Jesus Gonçalves Nossa fé rompe as trevas, vence as dores, Renova (...)

(Sociedade Espírita Africana. - Médium, senhorita O...)  (Publicado na Revista Espírita (...)

        Quem ama, onde estiver, Serve sem perguntar.   Quem ama reina sempre Porque (...)

                                   

O CARNAVAL – Divaldo Franco

 

   

 

     A palavra Carnaval, segundo alguns linguistas, é composta da primeira sílaba de velho provérbio latino: Carne nada vale (carnis levale), também interpretado como “festa do adeus à carne”.

Equivale dizer que se deve aproveitar a vivência carnal para desfrutar-se até a exaustão os prazeres sensuais proporcionados pelos festejos.

A sua origem perde-se na poeira dos tempos, inicialmente entre os egípcios, em festa de homenagem a Ísis, mais tarde entre os judeus, os gregos, os romanos (as saturnais) até quando a Igreja o aceitou… Posteriormente, passou a ter aspectos mais amplos e Paris encarregou-se de divulgá-lo ao mundo. Na atualidade, o Brasil é o grande campeão do Carnaval, e, segundo o Guinness Book, o do Rio de Janeiro é o maior do planeta, com dois milhões e duzentos mil foliões, seguido pelo de Salvador, Recife, Olinda…

É a grande bacanal em que tudo é válido, desde que proporcione prazer.

À medida que os valores éticos foram perdendo a força do equilíbrio e da razão, tornou-se a grandiosa exposição de erotismo e de vulgaridade, a prejuízo da sensatez e da dignidade.

Realmente, não é o Carnaval o responsável pelos descalabros a que grande parte da sociedade se permite, mas, sim, a oportunidade para desvelar-se, cada qual, da persona que lhe oculta o ser profundo.

Objetivando ser uma catarse a muitos conflitos, momento de liberar-se da melancolia, de distrair-se, de sorrir e bailar, quase numa peculiar maneira de terapia do júbilo, os instintos primários assumiram o comando do indivíduo, fazendo-o liberar-se das paixões inferiores, por intermédio do exibicionismo e do total abuso sexual.

Ao mesmo tempo, a fim de contrabalançar os limites orgânicos, as libações alcoólicas, as drogas de estímulo com graves consequências, os relacionamentos apaixonados e perigosos, a violência que se faz liberada pelos transtornos da personalidade.

Considerando-se a falsa finalidade do Carnaval, a festa em si mesma proporciona alegria, liberação de pequenos traumas, diverte, desde que vivenciada com equilíbrio e moderação.

Transformada, porém, em elemento de sensualidade e de exorbitância do prazer, produz mais danos que satisfações, porquanto, logo passa, mas os hábitos e licenças morais permanecem, transformando a existência em um carnaval sem sentido, mais animalizando os seus adeptos.

Nessa efusão de promiscuidade a que muitos se permitem, o contágio de enfermidade infectocontagiosas, de transtornos emocionais e sonhos que se tornam pesadelos são os frutos amargos da grande ilusão.

Se desejas alegrar-te e participar dos desfiles alegóricos, ricos de beleza e de nudez erótica, procura manter o equilíbrio, lembrando-te, porém, de que és imortal.

 

Artigo publicado no jornal A Tarde, Salvador, Bahia,   coluna Opinião.