União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas
Calendário Espírita USE Piracicaba
1
Qui
2
Sex
3
Sáb
4
Dom
5
Seg
6
Ter
7
Qua
8
Qui
9
Sex
10
Sáb
11
Dom
12
Seg
13
Ter
14
Qua
15
Qui
16
Sex
17
Sáb
18
Dom
19
Seg
20
Ter
21
Qua
22
Qui
23
Sex
24
Sáb
25
Dom
26
Seg
27
Ter
28
Qua

A Humanização do Centro Espírita ( 37 sugestões)

A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)
A Humanização do Centro Espírita ( 37 SUGESTÕES)

Notícias Caminhos de Luz >>

 

Tv Da Federação Espírita Brasileira

Leia O Evangelho segundo o Espiritismo

Mensagens >>

                                                                              Quando Jesus nos ensinou a perdoar, concedeu-nos o máximo de poder imunológico para frustrar (...)

Pensamentos >>

“Humanizar-se é por em prática  o sincero  desejo de ser do bem.”   (Jairo Capasso)                               (...)

O Arauto >>

Lendo Para  Você: Em Torno Do Livro Espírita

Poesias >>

    Meus irmãos, o matrimônio É um instituto divino, Onde o trabalho em (...)

Mulheres, filhas de Deus, São todas irmãs da gente; No (...)

O compositor cartola fez essa música,(*poema) quando soube que sua (...)

                                   

SEPARAÇÕES AFETIVAS - Divaldo Franco CASAMENTOS - AS SEPARAÇÕES NASCEM, QUASE SEMPRE, DE FALSA NECESSIDADE DE NOVOS PARCEIROS, DE PRAZERES FÁCEIS...

 

 

 

 

SEPARAÇÕES  AFETIVAS     -    Divaldo Franco

CASAMENTOS - AS SEPARAÇÕES NASCEM, QUASE SEMPRE, DE FALSA NECESSIDADE DE  NOVOS PARCEIROS,  DE PRAZERES FÁCEIS...

 


   Aumenta, consideravelmente, em nossa cultura, a separação conjugal, a desunião matrimonial, a indiferença no relacionamento afetivo.

A solidão toma conta das criaturas tornando-as fantasmas atormentados.

Os sonhos de uma afetividade repleta de bênçãos, constituindo uma família harmônica, cedem lugar a verdadeiros combates domésticos, que culminam em separações lamentáveis.

As facilidades de relacionamentos sexuais descomprometidos, a ausência de pudor que predomina em quase todas as esferas sociais, tornaram o amor descartável, de breve duração e sem maturidade para suportar os desafios existenciais. É surpreendente a ocorrência, quando sucede em uniões aparentemente seguras e estáveis, com existência de longo prazo, apresentando-se como “falta de amor”, desaparecimento da empatia e do interesse afetivo na comunhão conjugal.

Dilaceram-se famílias, criam-se traumas de difícil solução em filhos imaturos que não compreendem os problemas dos pais, nem são devidamente informados, muitas vezes lançados pela imprevidência de um deles contra o outro. E passam a conviver com pessoas estranhas, que substituem provisoriamente aqueles que eram o sustentáculo da sua vida, o amor das primeiras horas, o anjo abençoado dos seus dias.

É certo que uma separação pacífica é muito melhor do que uma convivência litigiosa. A verdade, porém, é outra… As separações nascem, quase sempre, de falsa necessidade de novos parceiros, de prazeres fáceis e ligeiros, de fazer-se parte das redes sociais…

A decadência moral que se avoluma, assustadora, prognostica um futuro sem família, filhos órfãos de pais vivos, desinteressados, uma sociedade sem raízes afetivas, assinalada pelos transtornos afetivos e desajustes emocionais.

Um pouco mais de maturidade psicológica e de amor real poderiam modificar esse comportamento, quando as criaturas se dispam do egoísmo, do direito de posse sobre o outro, dando-lhe o direito de ser humano e agir como tal.

Artigo publicado no jornal A Tarde, Salvador BA, coluna Opinião, em 03-11-2016