União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

Página 3- Nossa escolha agora, e os resultados depois desta existência.

Passando pela rua  vejo uma idosa curvada, ralos cabelinhos brancos. Ao vê-la passa um filme em minha cabeça. Ela menina, adolescente, bela, cheia de vigor!  Vejo o tempo passando rápida e ela se tornando adulta; ela envelhecendo... Aí a vejo diante de mim, no anoitecer de sua vida. Respiração ofegante, olhar  cansado, passos lentos. Num átimo de segundo passa por mim os ensinamentos da vida:- Nascemos, crescemos e vamos embora deste mundo num tempo curto. Ah, como é curto! E o que vamos levar? Sim, porque se não acreditamos que estaremos vivendo depois da morte do corpo, então nossa vida pouco ou quase nenhum  sentido tem. Mas, então continuemos - o que vamos levar para o outro lado? – A casa? O carro? O emprego? Dinheiro? Joias? Nada disso poderá ir para lá.

Então, o que levamos? Chegamos sós neste mundo e voltaremos sós. Emmanuel nos diz que cada inteligência na Terra dará conta dos recursos que lhe foram confiados. Será a hora da prestação de contas. Só levamos as nossas experiências, o conhecimento e com certeza, os reflexos, como resultados das nossas ações vividas na Terra. Já que nada material vai para lá. Para lá levaremos como passaporte, uma passagem com direito só a lugares que  merecemos, conquistados com a nossa existência terrena. A Física Quântica confirma:- Cada vibração é atraída por vibração igual. E nós, que cremos na vida-após-a-vida e, principalmente o Espírita, estamos nos preparando para prosseguir a viagem? Sim, porque ninguém escapará desta viagem!! O que temos feito? (Lembro-me, quando era adolescente ouvia pessoas falando sobre o espiritual... “Ah, deixe isso para depois. Quando estiver velho, pego o rosário e foi rezar.

O que importa a gozar a vida! “ Quer dizer não estou nem aí...) Bem, voltemos a nossa meditação: - O que temos feito para o depois que é fatal? - Como temos tratado o nosso próximo?         Como estão as nossas mãos, vazias? Do outro lado de lá com certeza encontraremos os que são nossos afins, afins dos nossos comportamentos, dos nossos pensamentos, dos nossos sentimentos. Do outro lado de lá encontraremos a colheita do que semeamos, como disse Jesus. Lá estará nos esperando o resultado do que plantamos aqui. Aprendemos nas lições do evangelho que – a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. Kardec, quando pesquisava os ensinamentos Espíritas, descobriu que os Espíritos que se comunicavam, cada um estava em situação deferente. Uns alegres, outros tristes, Uns em boas companhias, outros em más. Uns em lugares bonitos, agraváveis; outros em lugares tristes, escuros. Uns saudáveis, outros muito doentes. Ele, com razão quis saber o porquê. E descobriu que tudo era resultado de nossa existência na Terra. A grande maioria tinha vivido só para o momento presente,  o corpo, a matéria. Isto é, não se importava com a espiritualidade, com o depois. As ilusões vivenciadas na matéria, ilusões porque são passageiras,  egoístas, orgulhosas, vaidosas. E os reflexos dessas ações materialistas trarão desagradáveis encontros do outro lado de lá. Pois os afins se atraem, esta é uma lei universal. Os contrários se repelem.

E, por justiça,  todos irão receber o que merece. E quem pode ser contra esta verdade? Está verdade é Lei!! E nós, o que estamos merecendo encontrar do outro lado? Ainda é tempo de repensar nossa vida, agora, pois o tempo urge e o relógio não para! E do outro lado de lá, com certeza,  pedirão – “Dá conta de tua administração”.  (Lucas 16:2)