União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

O CANTINHO DE ANDRÉ LUIZ, pela Escritora - isabelscoqui@yahoo.com.br

 

PLANEJAMENTO DE ENCARNAÇÕES

  Muitas vezes nos mostramos descontentes com o nosso corpo físico. Esse descontentamento, na maioria das vezes, é com o aspecto estético. Não são poucos os que procuram as clínicas especializadas para  a correção deste ou daquele detalhe.  Nada contra a correção de um nariz mais avantajado ou de uma orelha de abano. No entanto, esta é uma visão muito superficial dessa máquina maravilhosa, que é o corpo humano. Procuremos aprofundar, um pouco mais, no assunto. André Luiz, em seu livro Missionários da Luz, relata que deveria acompanhar um processo de reencarnação assistida.

Para melhor proveito, o mentor Alexandre o encaminhou ao Ministério do Esclarecimento, onde havia um departamento denominado Planejamento de Reencarnações. Dirigindo-se para lá, encontrou um movimentado centro de serviços, constituído por vários prédios. Muitas entidades, que ali circulavam, eram trabalhadores espirituais interessados em reencarnações próximas ou que intercediam pelo retorno de pessoas queridas. Alguns traziam rolos brancos contendo mapas, de formas orgânicas, elaborados por trabalhadores especializados. Ali ficou sabendo que grande porcentagem de reencarnações se processa em moldes padronizados para todos.

Mas outra porcentagem não obedece ao mesmo programa. Para a alma elevada em cultura e conhecimentos, o processo reencarnacionista individual é mais complexo. Em vista disso, as colônias espirituais mais elevadas mantêm serviços especiais para a reencarnação de trabalhadores e missionários. Destinam-se a companheiros não completamente bons ou redimidos, mas daqueles que representam maior soma de qualidades superiores. Em geral, são entidades em débito, mas com valores de boa vontade, perseverança e sinceridade, que lhes outorgam o direito de influir sobre os fatores de sua reencarnação, escapando, de certo modo, ao padrão geral.  Visitou, ali, os pavilhões de desenho, onde numerosos trabalhadores traçavam planos de reencarnação incomuns. Soube que, nenhum dos que haviam partido, embora os méritos de que se encontravam revestidos, escolheram formas irrepreensíveis, quanto às linhas exteriores.

Solicitaram providências em favor da existência sadia, preocupando-se com a resistência, equilíbrio, durabilidade e fortaleza do instrumento que os serviria, evitando apresentação física muito primorosa, ocultando, assim, a beleza de suas almas para a eficiente garantia no desempenho de suas tarefas. Para estes, a hereditariedade fisiológica sofreria importante influência, tendo em vista a sua condição superior.  Teve oportunidade de verificar a existência de duas estátuas, uma feminina e outra masculina, que apresentavam as maravilhas orgânicas nos mínimos detalhes.

Mesmo para ele, que fora médico, pareceu que a figura humana, imóvel, era a mais primorosa obra anatômica, tendo qualquer coisa divina. Surpreendido, rendeu silencioso louvor à Sabedoria Divina, que concede o sublime corpo físico terrestre para as  aquisições eternas. Respeitemos, também, o nosso aparelhamento físico, por ser um instrumento que o Pai nos concedeu,  para que pudéssemos estar matriculados na escola Terra.

Vivamos com serenidade, evitando os estados perturbadores como a cólera, a irritação, a preocupação excessiva, a intolerância, o ciúme. Que possamos comer e beber com moderação. Evitemos os maus hábitos de higiene e os vícios. Saibamos que, se possuímos alguma tendência enfermiça ou deficiência, isso foi programado para que vencêssemos a tarefa, que viemos executar. Afinal, numa encarnação programada, ou nos moldes  padronizados, cada um recebe o corpo de acordo com as suas necessidades